Os limites do Ego

Tanta ilusão se apoia nos pensamentos contínuos e acelerados, usando a energia criativa para projetar  o que se alinha a este sonho de realidade. Nada pode ameaçar a auto-imagem inserida nesta visão limitada. Toda oposição a esta falsa estabilidade precisa ser combatida, assim há violência de todos os lados. A ideia de que o governo, as autoridades, a corrupção que impera em nossos tempos, possa ser responsável pela vida como está, interfere em nossas decisões, reforçando o poder daqueles que não se importam com você, além do seu voto, da contribuição sobre seus rendimentos, para manter esta máquina a pleno vapor. A roda do carma nos tira do centro. Estamos a colher o fruto amargo da certeza de que seguro é aquele que se adapta ao sistema, que se esconde do desafio de enxergar a realidade cósmica, a vida espiritual.
Um passo para dentro, um sorriso acolhedor para a divindade interior que promove o bem na vida, celebrar o milagre de estar em sintonia com a consciência pode desmontar esse castelo de mentiras. É preciso confiar. Em quem? No que? "Você", seu falso eu, já não estará mais ali . Não há rotas, nem modelos, é preciso criar. Uma suave melodia não pode superar o barulho externo, uma voz solitária pode ser abafada, subjugada a loucura. 
Pode ser mais perigoso  ameaçar a estabilidade das vítimas desta opressão, lembrando do poder da transformação, do que chegar aos opressores. Estes estão no topo do império e fazem de tudo para ali se manterem, suas certezas não se abalam com pequenas manifestações da verdade. No entanto, a massa manipulada está com suas emoções reprimidas, sua raiva e indignação à flor da pele.  Seu ego foi calcificado tentando não desmoronar diante de tal realidade. 
É assim que o mundo permanece como está. Oprimidos e opressores se aliam em um enredo já conhecido.
Muita cerveja, muitos baseados, drogas legais e ilegais, promessas de salvação espiritual, mantêm os personagens desta trama encenando seus papéis, adormecidos. A construção de um novo mundo não é mais alimentada. O medo de tudo permanecer como está nos paralisa e, diante das telas que movem a emoção, nos iludimos de que estamos vivos.
Minha percepção me diz que "aquele" que acordou já previa isso, estrategicamente moveu seus esforços para um despertar coletivo. Não se rendeu diante da morte e permanece entre nós.
Plantou uma semente de verdade nos corações daqueles que ousaram se abrir às suas palavras, ao seu sonho. Ouço esta canção. Budas se levantando e contagiando com alegria e discernimento.
Vamos lá, a hora é esta.
Não há discurso, apenas a lembrança de que somos um. Uma só voz, lembrando que o planeta é redondo e que não há paredes que possam encarcerar aquele que não possui o corpo como limite. Ele é apenas uma onda, transbordando em nossos corações. 
Osho está vivo. Madeva Osho é um compromisso. Anatta Osho é seu mistério, seu eu além corpo, tomando minhas mãos.


Se as palavras dos livros não podem dar substância a esta verdade, medite sobre ela. A realidade cósmica pode ser mais incrível que o mundo dos sonhos, da ilusão A morte não é um lugar, é uma oportunidade de renovação. E, se o respeito pelo silencio deve preservado, "sua" onda se apresenta nos sentimentos revelados. É assim que o percebo em mim, vivo em meu coração.
Já não posso mais calar, o castelo da ilusão caiu, só restaram poemas, pintura e canções em uma temporada cósmica, com arte que se fez "a arte divina da cura".

Sexta feira - 4 de maio às 20h
Palestra show A ARTE DIVINA DA CURA.
Local: Espaço Cultural Thesaurus - SIG qd. 8 lote 2356
Atrás do Primeiro Bar - Primeira Avenida Sudoeste.

Nenhum comentário:

Postar um comentário